Baterias-Surf-Tokyo-2020-25.JUL_.21

Edital-Eleição-Comissão-de-Atletas_2021-CBSurf

Em parceria com o Comitê Olímpico do Brasil (COB), Confederação Brasileira de Surf preparou excelente estrutura física e de serviços durante a campanha da equipe brasileira no ISA World Surfing Games 2021 em El Salvador.

Mesmo com o fim da participação brasileira no ISA World Surfing Games 2021 em El Salvador, parte da delegação brasileira permanece no país da América Central, onde aproveita a excelente estrutura física e de serviços disponibilizada pela CBSurf para o evento, que serviu de preparação para a estreia do surfe nos Jogos Olímpicos de Tóquio, a partir do próximo dia 25 de julho, no Japão.

Campeã brasileira de 2019 e um dos grandes talentos do país, Julia Santos seguirá no local realizando treinamentos específicos com a comissão técnica, além de sessões de treinos nas ondas da região de La Libertad. Já Silvana Lima, que representará o Brasil nas Olimpíadas, segue em plena recuperação da Covid-19 e está sendo monitorada diariamente pela CBSurf e as equipes médicas do evento e do COB.

O local de hospedagem da delegação brasileira em El Salvador foi cuidadosamente escolhido pela CBSurf para oferecer as melhores condições de segurança, treinamento e recuperação dos atletas durante o campeonato. Além disso, a facilidade de acesso às ondas de La Bocana e El Sunzal, palcos da competição, foi fundamental para a escolha do local. “A estrutura que foi providenciada pela CBSurf foi muito boa”, elogia o experiente Paulo Kid, técnico da Seleção Brasileira. “O hotel em que ficamos foi criado com essa proposta de receber surfistas para treinos de alto rendimento. Além de ficar em frente a um pico com boas ondas, há uma raia de piscina exclusiva para natação e uma sala de equipamentos para um treino completo de funcional. A comida também é muito boa e tivemos todo o conforto necessário para abrigar a equipe brasileira. Outra grande vantagem é que é um lugar isolado e protegido, importante para o momento em que estamos vivendo”, continua Kid.

Já a equipe envolvida com a operação e os serviços complementares oferecidos na base da Seleção Brasileira em El Salvador são os mesmos que farão parte das Olimpíadas do Japão, o que garante um elevado nível de comprometimento e uma maior interação entre profissionais e atletas. “Os profissionais são muito competentes. Tivemos a presença de um fisioterapeuta e um massoterapeuta cedidos pelo COB, que estão acostumados a trabalhar com atletas de ponta de diferentes modalidades olímpicas, e inclusive estiveram no último Mundial da ISA no Japão. Eu estou aqui como técnico, então a Confederação pensou nisso também, para poder filmar e analisar as ondas dos atletas, orientar sobre equipamento. Enfim, a estratégia e planejamento foram muito bem pensados, e espero que isso possa ser estendido também para as novas gerações”, fala Paulo Kid. “Outro detalhe importante é que nos foi oferecido um bate-papo informal com o Bernardinho, do vôlei, que é um treinador super vitorioso, passando sua experiência em duas Olimpíadas como jogador e seis como treinador”, completa Kid.

Em função do cenário de pandemia da Covid-19, a CBSurf usou toda a expertise de logística do COB (Comitê Olímpico do Brasil) para garantir uma menor necessidade de deslocamentos, contato e exposição a lugares e pessoas que não façam parte do ambiente controlado pela comissão, criando a famosa “bolha”. Além disso, a CBSurf arcou com os custos de inscrição, passagens aéreas, hospedagem, transporte e alimentação dos integrantes da Seleção Brasileira de Surfe.

Silvana Lima, Italo Ferreira, Gabriel Medina e Tatiana Weston-Webb serão os representantes do Brasil na aguardada estreia do surfe nos Jogos Olímpicos. A briga pelas medalhas de ouro nas categorias masculina e feminina começa a partir do dia 25 de julho, nas ondas de Shidashita, a cerca de 60 quilômetros de Tóquio.

Já o ISA World Surfing Games 2021 segue até este domingo (6) em El Salvador e definirá os últimos 12 atletas classificados (7 mulheres e 5 homens) aos Jogos Olímpicos no Japão. A disputa está sendo transmitida ao vivo no Brasil com exclusividade pelo Canal Olímpico do Brasil (https://www.canalolimpicodobrasil.com.br).

A Seleção Brasileira conta com o apoio da grife carioca Wöllner, responsável por vestir a delegação no ISA Games em El Salvador, além do suporte da marca Silverbay, referência em equipamentos para atletas de alta performance.

Em anexo, fotos de Rafael Bello/COB retratando a estrutura oferecida à Seleção Brasileira no Mundial da ISA em El Salvador.

Prezadas e Prezados Atletas,

Temos o prazer de compartilhar mais uma oportunidade disponível para vocês, atletas do surfe brasileiro! A Solidariedade Olímpica, comissão do Comitê Olímpico Internacional (COI) de apoio ao desenvolvimento dos comitês olímpicos nacionais , lançou a edição de 2021 do “Programa para o Empreendedorismo”, aberto a todos os atletas.

Abaixo, vocês podem encontrar os principais detalhes dos programas:

Programa para o Empreendimento (Solidariedade Olímpica)
O Programa é promovido e realizado pela Solidariedade Olímpica, comissão do Comitê Olímpico Internacional (COI) de apoio ao desenvolvimento dos comitês olímpicos nacionais, em colaboração com o Centro de Esporte Yunus (YSH – presidido pelo Professor Muhammad Yunus, prêmio Nobel da Paz de 2006). O curso tem como objetivo oferecer aos atletas um conhecimento básico em empreendedorismo, bem como alguns elementos básicos para iniciar seu próprio negócio, desde a concepção da ideia, até a elaboração de um plano de negócios detalhado. Para tanto, o programa é composto por três fases:

A data limite para inscrição é na próxima terça-feira, dia 04 de maio (até às 07h00, horário de Brasília).

O programa estará disponível em três idiomas (inglês, francês e espanhol) e com formato adaptado devido à situação da pandemia.

Maiores detalhes poderão ser encontrados através do site:
https://olympics.com/athlete365/what-we-do/career/business-accelerator/

Qualquer dúvida ou comentário, não deixem de nos procurar.

SAS | Serviço de Atendimento ao Surfista
CBSurf

Manutencao-da-suspensao-do-Calendario-de-Eventos-2021

É com grande satisfação que apresentamos à comunidade do surf esta inédita produção, em um projeto conjunto com a área de Desenvolvimento do Comitê Olímpico do Brasil.

Reunindo um expressivo grupo de especialistas do surfe e pesquisadores das áreas de Desenvolvimento Humano, Esportes, Formação e Pedagogia Esportiva, esta publicação apresenta um MODELO DE DESENVOLVIMENTO DE ATLETAS DE SURFE EM LONGO PRAZO NO BRASIL.

Esperamos que este trabalho possa contribuir para o alinhamento e cooperação entre os diferentes atores e atrizes que participam deste complexo sistema de desenvolvimento humano de atletas e que, juntos, possamos construir um futuro potente e sustentável para o surfe no Brasil.

Para baixar o arquivo, por favor preencha o formulário abaixo.

O esporte olímpico está de luto.

O presidente da Confederação Brasileira de Canoagem (CBCa), João Tomasini Schwertner, faleceu na manhã deste domingo (17) às 10h57 no Hospital Marcelino Champagnat em Curitiba em virtude de complicação do COVID-19.

Neste momento de tristeza e dor, a Confederação Brasileira de Surf se une aos demais membros no Movimento Olímpico Brasileiro para manifestar nossas mais sinceras condolências aos familiares, parentes e amigos de Tomasini.

O Relatório Anual de Gestão de 2020 está disponível no Portal de Governança.

Clique aqui para mais informações

CIRCUITO DEFINIU OS CAMPEÕES BRASILEIROS PROFISSIONAIS DE 2020 COM

R$ 240 MIL DE PREMIAÇÃO IGUALMENTE DIVIDIDA PARA HOMENS E MULHERES

Em sua terceira temporada consecutiva, o CBSurf Pro Tour, o Circuito profissional da Confederação Brasileira de Surf, comemorou mais uma edição de sucesso, mesmo durante a pandemia do Coronavírus. Os campeões brasileiros de surf profissional no masculino e feminino foram definidos em três etapas, mesmo diante das adversidades impostas pelo Covid-19, com um total R$ 240 mil de premiação, dividida igualmente para homens e mulheres.

Foram 200 atletas no masculino e 45 no feminino, de 13 estados brasileiros, de Santa Catarina ao Pará. Nomes que já participaram da elite do surf mundial competiram no campeonato, incluindo o próprio novo campeão, Ian Gouveia. Também estiveram presentes Alejo Muniz, Willian Cardoso, Michael Rodrigues e Wiggolly Dantas, que chegou até o último dia brigando pelo título.

Também campeões mundiais como Lucas Silveira (pro-júnior da WSL) e Weslley Dantas (júnior pela ISA) reforçaram o pelotão de elite masculino. Entre as mulheres, outro nome importante que já representou o Brasil no Circuito Mundial, Silvana Lima, que está com vaga garantida para os Jogos Olímpicos de Tóquio e terminou como vice-campeã, ao vencer a etapa final. O título ficou com a atleta mais regular, Yanca Costa.

Para 2021, a expectativa é de crescimento no Campeonato, tanto em etapas quanto em premiação, diante da receptividade dos atletas e já estão previstas cinco disputas em cinco estados diferentes. “2020 foi um grande desafio, mas planejamos, acreditamos e realizamos etapas, com sucesso. Não só o profissional como o Júnior Tour, investindo na base”, afirma o presidente da Confederação Brasileira de Surf (CBSurf) Adalvo Argolo.

“Tivemos o apoio do Comitê Olímpico do Brasil (COB), que enxerga e destaca a importância do surf no cenário olímpico. Aliás, teremos um ano que podemos mudar o esporte com medalhas olímpicas em Tóquio com brasileiros. Por isso, continuamos investindo nos circuitos nacionais, para fomentar o crescimento da modalidade”, reforça.

Ele ressalta que todas as etapas realizadas na retomada do surf durante a pandemia tiveram todos os cuidados com protocolos de segurança. “Essa foi uma preocupação importante. Quisemos evitar riscos e, ao mesmo tempo, promover a conscientização entre atletas, treinadores, familiares”, destaca o dirigente, lembrando que o processo de fortalecimento também passa por outras categorias, como stand up paddle e bodyboarding. “Também queremos investir no surf adaptado”, complementa.

RANKING FINAL 2020

NO INSTAGRAM

CAMPEÕES BRASILEIROS PROFISSIONAIS

CAMPEÕES BRASILEIROS DE LONGBOARD

CAMPEÃO BRASILEIRO DE ÁGUA DOCE

CAMPEÕES BRASILEIROS DE BASE

FOTOS: RODRIGO CALZONE, LIMA JÚNIOR E DANIEL SMORIGO

ELEIÇÃO ON-LINE FOI REALIZADA QUARTA-FEIRA

E O ATUAL DIRIGENTE OBTEVE 8 DOS 13 VOTOS

Atual presidente, Adalvo Argolo foi reeleito para o cargo máximo da Confederação Brasileira de Surf (CBSurf) nesta quarta-feira, 30 de dezembro de 2020. Ele obteve oito dos 13 votos na eleição on-line, com Jojó de Olivença recebendo cinco indicações. Aos 58 anos de idade, o baiano nascido em Itamaraju, criado em Ilhéus e atualmente morando em Salvador, segue para o seu segundo mandato, agora tendo como vice o catarinense Reiginaldo Ferreira

A assembleia para a escolha do presidente foi iniciada às 10 horas, com a participação de cinco federações aptas a votar – Bahia, Maranhão, Pará, Rio de Janeiro e Santa Catarina, e os oito integrantes da Comissão de Atletas da entidade – Bruno Galini, Nathalie Martins, Suelen Naraísa e Wiggolly Dantas (Surf), Carlos Bahia (Longboard), Luiz Phelipe Nobre (Para Surfing), Ivan Tadeu dos Santos (Stand Up Paddle) e Eder Luciano (Bodyboarding).

O encontro também contou com a presença de duas das três chapas inscritas – a Rumo às Olimpíadas, com Adalvo Nogueira Argolo e Reiginaldo Ferreira; e a Projeto Surfa Brasil, com Jocélio de Jesus, conhecido como Jojó de Olivença, e Brigitte Mayer. Já a Nação Surfe Brasil, de Ricardo Baerlin dos Santos Lima, conhecido como Ricardo Bocão, e Paulo Moura, não compareceu. Também foram eleitos, por aclamação, dois novos membros do Conselho Fiscal – Marco Ferragina e Michael Cardoso, ambos de São Paulo. Outra vaga titular e três suplentes serão preenchidas em nova eleição para essa finalidade.

A eleição, presidida por Marcelo Barros, da Federação Baiana, foi realizada de forma virtual, pela Plataforma SGE (Sistema de Gestão Esportiva), implementado pela CBSurf no segundo semestre deste ano e também utilizado por outras confederações, como Canoagem, Desportos Aquáticos, Handebol e Taekwondo. O sistema garante o sigilo do voto, com armazenamento criptografado dos dados, com protocolo de segurança e acesso seguro.  

Eleito para a gestão 2021/ 2024, Adalvo agradeceu os participantes da assembleia e já projeta o futuro do esporte, que terá a sua estreia olímpica nos Jogos de Tóquio em 2021. “Essa eleição foi uma batalha muito grande e que todos os nossos movimentos foram em prol da entidade. Trabalhamos arduamente para que esse pleito acontecesse e foi uma conquista, pelo processo de transparência, de forma on-line”, falou

“Agradeço ao Jojó e a Brigitte pela força e caráter de ir até o final da eleição e a todos que participaram da assembleia, principalmente a lisura que a comissão eleitoral promoveu nesse processo. Quem agradece aqui não é o Adalvo, é o esporte”, ressaltou. “Jojó e Brigitte e também a chapa Nação Surf, estamos abertos a conversar para que tragam novas ideias para que a gente possa melhorar ainda mais essa relação nossa com o atleta, para que o surf seja mais fortalecido”, reforçou.

Adalvo também falou da sua relação com a International Surfing Association (ISA) e com o Comitê Olímpico do Brasil (COB), querendo fortalecer ainda mais o Brasil no processo olímpico. “Já estamos fazendo um trabalho sério, visando medalhas, para que o esporte cresça ainda mais”, finalizou o presidente reeleito.