CBSURF BUSCA AUMENTO DE PREMIAÇÃO E NÚMERO DE ETAPAS

A Confederação Brasileira de Surf divulgou o calendário de campeonatos para a temporada 2021. No total, serão 21 eventos nacionais previstos em dez estados, abrangendo as quatro regiões costeiras do País – Norte, Nordeste, Sudeste e Sul, além do ISA World Surfing Games, em El Salvador, e a tão esperada estreia do surf nos Jogos Olímpicos de Tóquio, totalizando 23 competições ao longo do ano. A temporada promete grandes e boas novidades para os atletas e a entidade busca aumento de premiação e de número de etapas para beneficiar mais atletas.

“Certamente a premiação do profissional vai aumentar. Atualmente é de R$ 80 mil, dividida igualmente entre masculino e feminino, mas queremos melhorar ainda mais e estão previstas cinco etapas, garantindo aos atletas mais eventos importantes. Também no CBSurf Júnior Tour teremos quatro etapas, todas com três dias para abranger mais atletas, porque muitos ficavam de fora e nosso objetivo é incentivar a revelação e formação dos novos atletas”, afirma o presidente da CBSurf, Adalvo Argolo. “Vamos contemplar todas as categorias e já estamos em entendimento também para provas de SUP Race e de bodyboarding”, reforça.

Outra inovação no calendário é a inclusão do Circuito de Stand Up Paddle (SUP) Wave e o Brasileiro de Surf Adaptado. “Em 2020, mesmo com a pandemia, vamos conseguir encerrar o ano com a realização dos circuitos junior e profissional e os brasileiros de água doce e de longboard. Para 2021, nossa expectativa é a melhor possível, num cenário já controlado, para a realização de 23 eventos ao longo da temporada, de janeiro a novembro, incluindo o ISA e os Jogos Olímpicos”, reforça Adalvo.

Ele ressalta que 2021 será um ano especial com a estreia do surf nos Jogos Olímpicos de Tóquio e o Brasil competindo com atletas cotados para garantirem medalhas. Estão classificados Italo Ferreira, atual campeão mundial da World Surf League (WSL) e do ISA World Surfing Games (este realizado no Japão); Gabriel Medina, bicampeão mundial da WSL; Tatiana Weston-Webb, bicampeã mundial júnior da ISA e Silvana Lima, atual medalha de prata no ISA Games, em ondas japonesas.

O time viajará com todo o suporte da CBSurf e do Comitê Olímpico do Brasil (COB) e Adalvo sabe que a conquista de medalhas será importante para fomentar o crescimento da modalidade no País. “Chegaremos lá com um time forte e confiando em grandes apresentações. O surf do Brasil é hoje uma grande potência e vamos continuar fazendo aqui o nosso trabalho de realizar campeonatos para assegurar sempre o crescimento do esporte”, fala.

Share on facebook
Share on twitter
©2020. Confederação Brasileira de Surf