Relatório de Atividades 2018-2019

 

A Confederação Brasileira de Surfe (CBSURF) e a entidade máxima do surfe no Brasil. Filiada a ISA (International Surfing Association), reconhecida pelo Ministério do Esporte e pelo COB (Comitê Olímpico do Brasil). A CBSURF e responsável pelas seguintes categorias: Surfe, Longboard, SUP, Bodyboard e Surfe Adaptado.

O surfe brasileiro é um dos esportes com maior chances de conquistar medalhas em Tóquio 2020. Em 2018 os surfistas brasileiros venceram 7 das 8 etapas da primeira divisão da Liga Mundial de surfe (World Surfing League).

O fato é que o surfe brasileiro já conquistou todos os títulos mundiais nas mais diferentes categorias: WCT, WQS, Longboard, SUP, Adaptado e Ondas Grandes. O único título que ainda nos falta é o de campeão mundial feminino na primeira divisão. No entanto, apesar de sua atual hegemônia no cenário internacional, e do seu imenso potencial de conquistar medalhas em Tóquio 2020, o surfe está entre as 5 modalidades que recebe menos verba do COB. A CBSurf ainda não conta com recursos próprios.

 

 

O ANO DE 2018:

 

Em 2018 a CBSURF só recebeu recursos públicos, oriundos do COB, a partir do mês de março. Não houve nenhuma outra entrada de recursos na conta da CBSURF.A CBSURF presta contas destes recursos diariamente para o COB. E toda a movimentação financeira destes recursos está disponível para consulta pública no site do COB. Portanto, a CBSURF tem periodicamente todas as suas contas auditadas pelo COB. E elas estão rigorosamente em dia.

 

RECURSOS PÚBLICOS RECEBIDOS PELA CBSURF EM 2018

 

O valor total destinado pelo COB para a CBSURF em 2018 foi de R$ 719, 664 (setecentos e dezenove mil seiscentos e sessenta e quatro reais). Este foi o valor total da “verba ordinária” recebida pela CBSURF - via COB - em 2018.

 

CBSURF TEM APENAS 2 FUNCIONÁRIOS

 

De acordo com a Lei Angelo Piva, apenas 20% da “verba ordinária” pode ser usada para a manutenção da entidade. Em 2018 o valor destes 20% foi de R$ 14,393 (quatorze mil trezentos e noventa e três reais) por mês. Apenas tres pessoas - o Presidente, o Diretor Financeiro e o Coordenador esportivo - receberam salários provenientes destes recursos.

 

Rosaldo Cavalcanti: Coordenador Esportivo da CBSURF, vem fazendo a interface entre a Cbsurf, o COB, a ISA e a WSL. Simultaneamente está desenvolvendo o planejamento estratégico e de metas esportivas para o ano de 2019. Ricardo Vargas: Diretor Financeiro é o Responsável pela prestação de contas de todas as verbas e projetos da CBSurf junto ao COB através do SIGEF. Todos os demais recursos recebidos pela CBSURF, oriundos da Lei Agnelo Piva, foram aplicados em projetos aprovados pelo COB e que tiveram todas as suas prestações de contas auditadas e aprovadas pelo COB.

 

 

 

CBSURF TOUR O MAIOR CIRCUITO NACIONAL DO MUNDO

 

Em 2018 a CBSURF realizou o CBSURF TOUR, o Circuito Profissional nacional com a maior premiação do mundo na atualidade. Foram realizadas 3 etapas, com um investimento de R$ 90.000,00 (noventa mil reais) em cada etapa. R$ 80.000,00 (oitenta mil reais) na premiação das categorias masculina e feminina - que tem paridade na divisão da premiação - e outros R$ 10.000,00 (Dez mil reais) na estrutura do evento.

 

 

NACIONALIZAÇÃO DA ATLETA TATIANA WESTON WEBB

 

Em 2018 a CBSURF nacionalizou a atleta Tatiana Weston Webb. Nascida em Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Tatiana é filha de uma brasileira com um inglês, e mora no Havaí desde criança. Tatiana está entre as 5 melhores surfistas do mundo na atualidade, mas até 2017 representava o Havaí nas competições internacionais. Mas hoje, depois de ser nacionalizada pela CBSURF, Tatiana é a grande esperança do Brasil para conquistar uma medalha olímpica em Tóquio 2020.

 

 

APOIO AO SURFE FEMININO

 

Se na categoria masculina o Brasil conta com 3 surfistas entre os 4 primeiros colocados

no ranking mundial, o mesmo fenômeno não ocorre na categoria feminina, o grande calcanhar de Aquiles do atual surfe brasileiro. Apenas a atleta Tatiana Weston Webb está entre as 5 melhores surfistas do mundo na atualidade. Pensando nisso, a CBSurf criou, junto com o COB, o projeto de apoio ao surfe feminino brasileiro. Além da Tatiana Weston Webb, a cearense Silvana Lima - segunda melhor surfista brasileira no ranking mundial - e a catarinense Tainá Hickel - terceira melhor brasileira no ranking mundial – foram apoiadas, financeira e logisticamente, pela CBSURF e pelo COB, para disputar as principais competições internacionais em 2018.

 

O apoio da Cbsurf ao surfe feminino e estratégico e a paridade na premiação nas etapas do CBSURF Tour, o Circuito Brasileiro Profissional, faz parte desta estratégia de valorizar as mulheres surfistas.

 

 

 

Imagem

 

BRASIL CONQUISTA O VICE CAMPEONATO PAN AMERICANO

Em novembro de 2018 a CBSURF levou o time brasileiro de surfe, Longboard e SUP - nas categorias masculina e feminina - para disputar, no Peru, o PASA GAMES 2018, prova classificatória para os Jogos Panamericanos Lima 2019. Nossa delegação teve todos os custos pagos: Passagens aéreas, estadia, transporte, alimentação, diárias e inscrições. Enfim, uma estrutura profissional jamais vista na história. O resultado foram 6 medalhas, o título de campeão panamericano no longboard feminino e um segundo lugar geral por países. Portanto o Brasil estará representado em todas as categorias do Pan Americano de Lima 2019.

 

REUNIÃO COM OS DIRIGENTES DA ISA E DA WSL NA CALIFÓRNIA

 

Em 2018 o Presidente e o Coordenador técnico da CBSURF foram, junto com 2 representantes do COB, Bernardo Otero e Gustavo Harada, numa missão oficial para a Califórnia. O objetivo da viagem foi alinhar algumas questões relativas ao critério de classificação para as Olimpíadas junto à ISA e a WSL. E acompanhar a primeira competição oficial numa piscina de ondas, o “Founders Cup” - competição disputada por equipes de países numa piscina de ondas artificiais, na qual o time brasileiro ficou em segundo lugar - uma vez que ainda existe a possibilidade da competição de surfe nas Olimpíadas de Tóquio 2020 ser disputada numa piscina de ondas similar à utilizada no “Founders Cup”.

 

 

O ANO DE 2019 :

 

Em outubro de 2018 a CBSURF apresentou ao COB seu planejamento para o ano de 2019. Nele está previsto a realização de diversos eventos, em 10 estados diferentes.

Entre estes eventos estão : O Circuito Brasileiro de surfe profissional, o circuito de base Sub 14, Sub 16 e Sub 18, o circuito Master, o Circuito de longboard, o Circuito de SUP, o projeto de apoio ao surfe feminino, os preparativos para a disputa do Pan Americano de Lima 2019 e das Olimpíadas de Tóquio 2020.

 

Estamos a menos de 6 meses dos jogos Panamericanos de Lima 2019 e a cerca de 1 ano e meio das olimpíadas de Tóquio 2020. Agora é de trabalhar todos juntos para o sucesso do surfe brasileiro.

Em 2019 a verba destinada pelo COB para a CBSURF será de R$ 801,470,59 (oitocentos e hum mil quatrocentos e setenta reais e cinquenta e nove centavos). Sendo que a partir de 2019 a CBSURF poderá usar 25% deste valor = R$ 200,367 (duzentos mil trezentos e sessenta e sete reais) para manutenção da entidade. Um valor mensal de R$ 16,697,00 (dezesseis mil seiscentos e noventa e sete reais). Com as novas exigências do COB de contratação de auditoria e ouvidoria, a CBSURF poderá melhorar sua governança e implementar uma gestão dos recursos públicos cada vez mais transparente.

 

COMPETIÇÕES EM 2019 CLASSIFICATÓRIAS PARA TÓQUIO 2020

 

A principal plataforma de classificação para as Olimpíadas será a primeira divisão da WSL. Os 2 surfistas brasileiros mais bem colocados no ranking final da WSL em 2019 estarão automaticamente classificados para disputar as Olimpíadas de Tóquio 2020. Portanto, as etapas do WSL em 2019 serão decisivas. 

Nossa segunda competição mais importante em 2019 será o “ISA World Surfing Games 2019”, quando estarão em jogo 4 vagas para as Olimpíadas: 2 homens e 2 mulheres. Apartir do ano que vem os melhores surfistas do WSL de cada país serão obrigados pelas regras do COI / ISA a participar do “ISA World Surfing Games”. Em 2019 teremos que enviar nossos atletas para competir nos outros 4 mundiais da ISA : Jr. , SUP,  adaptado e Longboard.


COMPETIÇÕES EM 2020 CLASSIFICATÓRIAS PARA TÓQUIO 2020


Em 2020 mais uma vez o “ISA World Surfing Games” será importante, pois irá oferecer

as últimas 4 vagas disponíveis para Tóquio 2020. Mesmo que o Brasil já tenha garantido suas vagas através do ranking final da WSL 2019, existe a possibilidade de, caso o Brasil vença a competição por equipe, ter direito a classificar um terceiro surfista para disputar as Olimpíadas de Tóquio 2020.


O MOMENTO ATUAL:


Neste momento o objetivo da CBSURF é profissionalizar sua estrutura para poder

cumprir sua missão de organizar e desenvolver o surfe brasileiro, desde a base até as

categorias de alta performance. A CBSURF pretende captar patrocinadores para se

estruturar, ter viabilidade financeira e evitar depender apenas de recursos públicos.

 

Projetos que temos no nosso “Pipeline”:

 

- Criar uma comissão de atletas da primeira divisão mundial para melhorar a comunicação entre a CBSURF e seus atletas de ponta.


- CBSURF TV: Um portal de conteúdo onde o público poderá assistir as competições da CBSURF ao vivo e se informar sobre tudo que está acontecendo no universo do surfe brasileiro e internacional. Obviamente com a ativação das mídias sociais.


- Programas ambientais: Os surfistas são ambientalistas por natureza. A CBSURF precisa levantar esta bandeira. Temos algumas ideias de campanhas:

 

1. Contra o lixo plástico. Principalmente no mar. Mata animais como tartarugas e golfinhos.

 

2. Apoiar e desenvolver ações com alguma ONG como a Surfrider foundation (Protege as praias e os oceanos do planeta) ou a Waves4water (Leva água limpa para comunidades carentes em volta do mundo).

 

- Training Camps com nossos principais atletas: Junto com as federações reunir os melhores atletas dos seus respectivos estados para um treino técnico e motivacional.

 

- Organizar a base do surfe brasileiro através do fortalecimento das Federações e da organização de uma competição nacional disputada pelas equipes de cada estado.

 

- A médio prazo criar o protocolo nacional das escolas de surfe. Dando ênfase à segurança e a formação de instrutores capacitados pela CBSURF.

 

- Desenvolvimento do projeto de 1 centro de treinamento e de um curso nacional para a formação de técnicos de surfe.


- Transformar o CBSURF Tour no circuito nacional mais rico e importante do mundo. Com suas etapas valendo pontos para o ranking da segunda divisão da WSL.

 

- Conquistar o maior número possível de medalhas nos Jogos Panamericanos de Lima 2019 e nas Olimpíadas de Tóquio 2020.